Renato Silva (right) and Sergio Jimenez, a Brazilian Stock Car driver, at Interlagos

Versão em português abaixo

Renato Silva has been the name to look for in SuperGT series, on the first season of the year at Brasil Lemans Series league. With four victories within five races, a second place finish and the champion title already secured with one race remaining in the season, the beginning of 2014 has been bright for the 27 years old Renato, who lives at São Paulo, Brazil. Racing under his team name “Brasa,” Renato achieved the ambition of many sim-racers and he did it on a grid full of veterans, making it even more notable

I recently spoke with Renato about his iRacing career, his future ambitions and what he did to get here.

Renato Silva at Zolder, leading the way ahead of Alex Belão.

iRN: Firstly, congratulations for being the champion. How it was, for you, to achieve this title?

RS: Thank you, Thiago. This is very rewarding for me. I have been training a lot for all the races and this just happened. This will only encourage me to keep improving myself.
Of course, there were a few things that helped me to take this championship more seriously, like the great organization. Besides that, to get to know that I need to dedicate myself, because if I don’t, certainly I would be racing on the back of the field which is not my main objective. This championship gave me a good experience, having to race with drivers from RW Team, who were always clean, but didn’t make my life any easier. The same thing for the Alliance Sky team drivers, who also were my rivals on last season. Winning the drivers and team titles, racing with so many veterans is a great honor to me and for our little and young team (Team Brasa).

iRN: You won four times, three of them consecutive after the second place you got at Brands Hatch. From these 5 races which ended-up giving you the championship, which one was the most exciting for you?

RS: Brands Hatch was the most exciting. When I left the pitlate with a little advantage against Andrew Lauret, I ended-up commiting a mistake which cost me the first place and a seven seconds loss. I had few laps to recover, having to drive on the edge, making used the whole track.  I knew that every single tenth would be important, because Andrew also had a very strong pace.
So, with one lap to go, only two seconds separated me from the victory, and I could not change this on the end. I didn’t felt like I was a loser; I honestly felt happy for having that battle that so many real life racing drivers must have. I raced on my limit, on the car’s limit and my rival did an excellent job keeping his head cool to assure his victory. These moments make me feel sure that motorsports is my favorite sport and sim-racing is the best hobby for me (side-by-side with my guitar).

iRN: You had told me before  that you didn’t have any experience driving a race car and you are now working on getting your driver’s license to drive at the streets. How did you manage to learn how to race?

RS: My first contact with sim-racing was at Gran Turismo 5 multiplayer. I noticed that I didn’t knew anything about driving. So, little by little, I got to know the cars, different series and tracks. As a consequence I got to learn better of racing line, setup, apex, strategy and racing pace with a lot of practice. Until some day, a few friends told me to get a racing wheel, a (Logitech) G27, which I have until today. It was a pain to get used to it, because I had a joypad, but I ended-up improving myself after that. By the end of 2012 I got to know iRacing.  In March of 2013, with a friend of mine called Maurício, I managed to build a good gaming computer to install iRacing properly. I don’t know to tell you exactly when or where I learned the little that I know. What I know is that things got together somehow and the outcome of this is the champion title.

iRN: If you had the chance to drive a real RUF RT12R by tomorrow at one of the tracks you won on SuperGT, how prepared do you think you would be? Physically and mentally.

RS: Tough question. Physically I am too skinny, so by that you can take your own conclusions. Maybe this give me a upperhand racing go karts… little weight. To handle something like an endurance race, that I like so much, would be hard. I believe that mentally I would be more ready, if I can say that. Actually, I don’t know how much I would have to be mentally prepared to get to race. I know that real drivers must have a big focusing power. They must know to evaluate risks, to improvise, be aware of the car and track condition, think about the championship, the team, and this on a 150mph speed. So if I had the chance to race on a real car, even if this would be only to get to know the thing, I would try to enjoy the most of it and try to push the RUF to the edge.

iRN: Do you have any ambition to try something on real racing cars or are you happy with just the iRacing simulation?

RS: I believe that every one who get to be a sim-racer and takes it seriously, even for a little, surely already had thought about being a real racing driver. I had this on my mind, but I never got to move towards this dream. Is very hard (racing at Brazil is really expensive) to race from your pocket until you get some good results, mainly in Brazil, where everything is about soccer. There isn’t any incentive for young kids who dream of being racing drivers. Most of them want to be soccer players – usually a striker – to get famous and earn loads of money. So racing gets to be for the wealthy ones who can pay for their careers until they get a good sponsorship to keep going. I’m realistic.  Sim-racing is a great hobby for me and will be for a long time.

Renato Silva trophies. The newest one, earned at SuperGT (at left) and the last one, running on a different series of the same league (right).

iRN: What are you aiming for in the second season this year? Are you going for a new title at Brasil Lemans Series?

RS: Yes, I will go for a new title. My aim is to get everybody on my team to drive together. I spent a lot of time practicing by myself and I believe that if my teammates join me, we will be more competitive. I learned a lot with them, about racing and motorsports. I hope that our schedule is compatible with the league’s.

iRN: From all the sim-racers of this season who raced you, which was the most challenging?

RS: Anderson Mota (second on the points standings of Brasil Lemans). But it would be unfair to not mention the others. Fernando Santii got me surprised on the first qualifying, at Montreal. I thought I would not beat his time. Andrew Lauret is very competitive, he won the second race and was last season’s champ. Alex Belão would certainly be fighting for the title if he didn’t run out of luck. Leandro Schmidt was very quick, but had some incidents along the way. So, if I have to choose only one, I choose Anderson Mota because he is so consistent in the races, and this is very important to win a championship.

iRN: Why is this competition so pleasurable for you?

RS: Simulating everything that is possible at motorsports. Butterflies on your stomach before each race is priceless. I can imagine that this is also true for the professional racing drivers. To build your setup during the week for the next race, think on your strategies, decide pit-stops, practice racing pace, get to know the tracks and learn by what you do right and mainly your mistakes is all part of what gives me pleasure. Even if this is all about virtual, this is the closest I can get to the dream of being a race driver. Besides that, to have some fun with my team via TeamSpeak (voice chat) and get a few laughs after my work day and do some private races between us also is part of this, no doubts.

iRN: For everybody who is reading now, what do you recommend for them to have a good performance?

RS: Training. I believe that there isn’t a better way if (you are) not training. It’s very important to practice and have focus on your test sessions. To understand and accept that there is something to make your driving better. Those who takes iRacing a little more seriously know what I’m talking about. For those who are only willing to have some fun, enjoy the most of it, but don’t forget that on a racing session those two different groups get together, so be aware coming out of a pitlane, look on the relative box (F3) and check the mirrors. Give the racing line to the guy who is on a hot lap if you just came out from the pits. Don’t try to return to the track until you know it is safe or try to win the race on the very first corner. If somebody does a mistake, you will earn his place for sure, so don’t be impatient. This is the basic stuff; however, even older sim-racers need to be reminded of that on occasion. Just a few tips to get a even better experience.

iRN: Feel free to thank your friends and to talk a bit more about your title.

RS: I want to thank everybody at Brasil Lemans Series, for the top notch racing and for the respect on track. I want to congratulate Guto Colvara for all his dedication running his league Brasil Lemans Series. Also, congratulations to my friend, Marcelo Longo, who even with a tight schedule managed to get a good championship, showing all of his skills, earned on a sim-racing career that is longer than my age (laughs). I hope to see in the future, besides Marcelo, my friends and my teammates at Team Brasa, racing too: Mauricio Matos and Felipe Persona. I’m looking forward for the next season of Brasil Lemans Series, for a even better championship for everybody, and also for the spectators who watch the race via youtube. Cheers and we meet at the track.

Conheça Renato Silva

Renato Silva tem sido o nome da SuperGT, na 1ª temporada do ano da liga Brasil Lemans Series. Com 4 vitórias em 5 corridas, um 2º lugar e o título de campeão antecipado por uma prova, o começo de 2014 tem sido brilhante para o jovem Paulistano de 27 anos. Correndo pela sua equipe “Brasa“, Renato realizou a ambição de muitos pilotos virtuais, e o fez em um grid repleto de outros veteranos, o que evidencia ainda mais seu talento.

Entrevistado por mim, em colaboração com o iRacing News, Renato falou um pouco sobre sua atuação no iRacing, suas ambições futuras e o caminho que percorreu para atingir suas conquistas.

iRN: Renato, em 1º lugar, parabéns pelo seu campeonato. Como foi para você, conquistar este título?

RS: Obrigado pelos votos, Thiago. O título para mim foi muito gratificante. Eu treinei bastante pra todas as corridas e acabou acontecendo, mas isto servirá ainda mais como um incentivo para continuar a melhorar meu desempenho.

Claro que alguns fatores me fizeram querer levar esse campeonato a sério, como o fato de haver uma ótima organização do campeonato. Além disso, saber que é preciso treinar, pois se não o fizer, certamente ficaria para trás no grid e esse não é meu objetivo. Esse campeonato me trouxe uma bagagem grande de experiência, muitas disputas com os pilotos da RW Team, que disputaram de forma limpa  mas não facilitaram minha vida. Da mesma forma os pilotos da equipe Alliance Sky que também foram meus adversários na temporada anterior. Ser campeão individual e por equipe, disputando com esses veteranos, é uma grande honra para mim e para nossa pequena e recém montada equipe (Team Brasa).

iRN: Foram 4 vitórias, 3 seguidas após o 2º lugar de Brands Hatch. Destas 5 corridas que acabaram por lhe dar o campeonato, qual foi a mais emocionante para você?

RS: Brands Hatch foi a mais emocionante, pois depois de sair dos boxes com um pouco de vantagem sobre o Andrew Lauret, acabei cometendo um erro que me custou a primeira posição e um prejuízo de mais de 7 segundos. Tive poucas voltas para me recuperar, o que me exigiu pilotar no limite, utilizando toda a pista. Sabia que cada décimo seria importante, pois Andrew também tinha um ritmo muito forte.

Naquele dia estava calor, eu na minha cadeira capenga balançando de um lado pro outro, suando mais que pano de cuscuz… Então faltando uma volta, apenas 2 segundos me separavam da vitória, os quais não consegui tirar no último giro pelo circuito. Não me senti derrotado, me senti sinceramente feliz por ter aquela disputa que muitos pilotos reais devem ter. Pilotei no meu limite, abusei do carro e meu adversário fez um excelente trabalho mantendo a calma para garantir a vitória. Esses momentos me fazem ter certeza que Automobilismo é meu esporte preferido e que o Automobilismo Virtual  é o meu hobby predileto (bem ao lado do meu precioso violão).

iRN: Você me contou antes, que não teve nenhuma experiência real de pilotagem e ainda está tirando sua CNH para dirigir nas ruas. Para aprender o que sabe agora, o que você fez?

RS: O meu primeiro contato com o automobilismo virtual foi no multiplayer do Gran Turismo 5. Me dei conta de que o que eu achava que sabia sobre pilotagem não era nada. Então, aos poucos, fui conhecendo os carros, categorias e circuitos. Consequentemente fui aprendendo a respeito de melhor traçado, setup, apex, estratégia e ritmo com treinos, treinos e mais treinos. Pedia dicas dos mais rápidos das corridas que entrava. Fui juntando conhecimento. Até que me incentivaram a comprar um G27, que uso até hoje. Apanhei bastante para me habituar, pois passar do joystick para o volante não foi fácil, mas ao final acabei melhorando meu desempenho. Foi então que no final de 2012 conheci o iRacing. Em março de 2013 consegui, com ajuda do meu amigo e parceiro de equipe, Maurício, montar um pc bacana para assinar o iRacing. Não sei dizer exatamente onde ou quando foi que aprendi o pouco que sei. O que sei é que as coisas foram se somando e o resultado foi o título.

iRN: Se houvesse amanhã uma oportunidade de guiar o verdadeiro RUF RT12R em uma das pistas que você venceu na SuperGT, o quão preparado você se sentiria? Fisicamente e mentalmente.

RS: Difícil a pergunta. Fisicamente já fui chamado de filé de borboleta, daí você pode tirar suas conclusões. Talvez isso seja uma vantagem no Kart… pouco lastro. Aguentar uma prova de endurance que tanto gosto seria difícil. Acredito que mentalmente eu esteja mais preparado, se é que posso assim dizer.  Na verdade não sei qual preparo mental precisaria ter para correr. Sei que pilotos de verdade devem ter um poder de concentração grande durante a corrida. Saber avaliar riscos, improvisar, ficar atento as condições do carro e pista, pensar no campeonato e na equipe, tudo isso a mais de 200km/h. Então se eu tivesse uma oportunidade de correr na vida real, ainda que fosse apenas para conhecer, aproveitaria cada momento e se pudesse com certeza eu aceleraria o RUF o máximo que fosse possível.

iRN: Existe alguma pretensão sua de tentar algo nas pistas reais ou ficar no iRacing por enquanto está bom o suficiente?

RS: Acredito que todos aqueles que pilotam no automobilismo virtual e o leve minimamente a sério, com certeza já pensou em ser piloto na vida real. Já pensei sim e ser piloto na vida real, mas nunca dei nenhum passo à frente em busca desse sonho.

Há muitos “problema$” (corridas no Brasil são muito caras) a serem enfrentados até conseguir algum resultado nesse sentido, principalmente no Brasil, onde só se fala em futebol. Não há uma estrutura de base para incentivar os jovens que querem ser pilotos. O que a maioria quer é ser jogador de futebol – e o atacante – pois é o que mais fica famoso e ganha dinheiro. Então sobra aos afortunados que tem a possibilidade de custear suas próprias carreiras até conseguirem um patrocínio que os sustentem. Sou mais realista. Automobilismo virtual é um excelente passatempo pra mim e parece que assim será por muito tempo.

iRN: Qual sua meta para a 2ª temporada do ano? Vai tentar um novo título na Brasil Lemans Series?

RS: Sim, tentarei um novo título. Minha meta é colocar minha equipe toda pra pilotar junto. Treinei muito tempo sozinho nessa temporada e acredito que se meus parceiros se juntarem a mim na próxima, seremos mais competitivos. Aprendi muito com eles, sobre pilotagem e automobilismo em geral. Tomara que a agenda de todos seja compatível com a agenda da competição.

iRN: De todos os pilotos que disputaram contigo, qual deles foi o mais difícil?

RS: O Anderson Mota (em 2º na pontuação do Campeonato). Contudo seria injusto não falar dos demais. Fernando Santii me surpreendeu na primeira qualificação, em montreal. Achei que não ia bater o tempo dele. O Andrew Lauret é muito competitivo, ganhou a segunda etapa e foi campeão na temporada passada. O Alex Belão certamente estaria brigando pelo campeonato se não tivesse tido os problemas que teve. Leandro Schmidt se mostrou muito rápido, mas sofreu com acidentes. Então, se é pra escolher um, escolho o Anderson Mota em razão da sua consistência nas corridas que também é essencial para garantir um campeonato.

iRN: E o que mais lhe dava prazer em competir?

RS: Simular tudo aquilo que é possível no automobilismo. Aquele frio na barriga antes de cada corrida é impagável. Imagino que seja o mesmo frio que acometem os pilotos da vida real. Preparar o carro durante a semana para disputar uma etapa, mexer no acerto, decidir com quanto de combustível irei largar e quando será o primeiro pit stop, treinar o ritmo, conhecer o circuito, aprender com o que se faz de certo e principalmente com os erros faz parte do que me dá prazer. Ainda que tudo seja virtual, sem dúvida é o mais próximo que posso chegar do sonho de pilotar. Além disso, me reunir com minha turma no TeamSpeak só pra dar umas risadas depois do trabalho e para disputarmos com diferentes carros e pistas também complementa a satisfação de competir, sem dúvidas.

iRN: Para os nossos leitores, qual é a sua dica para ter uma performance tão forte?

RS: Treino. Acredito que não haja uma fórmula certa senão o treino. É fundamental praticar e ser objetivo nos treinos. Saber identificar e aceitar que há algo para se aperfeiçoar em sua pilotagem. Quem leva o iRacing minimamente a sério, sabe do que estou falando. Para os que levam apenas como brincadeira, aproveitem e se divirtam o quanto podem, só não se esqueçam que ao entrar na pista esses dois grupos de pessoas se misturam, então tomem cuidado ao saírem do pitlane, olhem a caixa de posições relativas (F3), o espelho ou ambos; Dêem preferência a quem estiver em volta rápida se você acabou de sair do pit; Não tentem voltar pra pista de qualquer jeito ou ganhar a corrida na primeira curva.  Se alguém erra na pista, certamente uma posição você ganhará, então não tente ganhar todas as posições ao mesmo tempo. Ressalto o básico porque estou tendo esse espaço para comentar, mas todavia, nem todo mundo lembra disso quando é preciso. São apenas dicas para que a simulação seja ainda mais realista.

iRN: Sinta-se livre para fazer agradecimentos e fazer um depoimento livre sobre seu título.

RS: Acredito que meu depoimento seria sobre os cuidados que eu gostaria que todos tomassem ao entrar entrar em uma corrida no iRacing, ou seja, tudo aquilo que falei na pergunta anterior. Para não ser repetitivo, quero agradecer à todos os pilotos no Brasil Lemans Series pelas excelentes disputas e o respeito mútuo que existe no campeonato (ainda há uma etapa para participar, em 9 de abril). Parabenizo o Guto Colvara pela dedicação que ele tem levando esse projeto da BLMS para frente e com sucesso. Parabenizo meu amigo Marcelo Longo, que mesmo atarefado na vida pessoal conseguiu fazer um bom campeonato, mostrando suas habilidades adquiridas no seu tempo de carreira no automobilismo virtual, que é maior do que minha idade (risos). Espero ver no futuro, além do Marcelo, meus amigos e parceiros da Team Brasa: Mauricio Matos e Felipe Persona.

Acredito que a próxima temporada na Brasil Lemans Series seja ainda melhor do que essa está sendo para todos os envolvidos e também para o público que acompanha as etapas pelo streaming do Youtube. Um abraço e nos vemos na pista.

Share Button


No Comments

Comments are Closed

Interested in special offers, free giveaways, and news?

Stay In Touch

Ad