Versão em Português abaixo:

The league, iRacing Brasil, is the most popular among members from Club Brasil. So much success started in a very modest way, a few years ago, through the efforts of one name: Rafael Sanque.

Maybe you won’t see him on the virtual tracks very often, but Sanque has been around since 2010 and in four years he started almost 1000 official races in both oval and road series. Today, due to his league success, there is not much time available to race:  his job is to organize quality championships so the others can have fun.

Carlos Rafael Sanque generates 100% of his annual income through his endeavour, iRacing Brasil. After he left his job in a big Brazilian company – Petrobras – as a technical support specialist, Rafael Sanque decided to work with what makes him happy. And suddenly three years had passed, organizing and broadcasting virtual races at iRacing Brasil league.

Today we are going to get to know a little of this “carioca” who had the courage to leave everything behind to work on what he believed.

Sanque broadcasting the World Cup of iRacing, last year.

iRN: Sanque, tell us a little about your history. How did you start sim racing?

Sanque: Before anything, I would like to congratulate you for the great work you have been doing here on iRacing News, and for all the help that you give by promoting the Brazilian sim racing scenario for the world.

About your question: I started sim racing by chance. I’ve been always a gamer and in 1998 I was at a friend’s house when he introduced GP2 to me. I was very excited by the idea of simulating F1 races on my computer, and kept following the series until GP4. A few years later, another friend showed me F1 Challenge 99-02, and then I started to see myself as an impassioned simracer. I spent many hours of my day downloading mods and practicing to race my friends. Was a lot of fun! Then I followed the evolution: GTR2, rFactor, Live For Speed… and iRacing, in 2010, when I uninstalled all the other racing games from my computer.

iRN: I first met you through “Liga IVR” (the first Brazilian iRacing league) that does not exist anymore. There, with the league community, we learned most of what we know of how to things worked on iRacing. How much did that influence you to get where you are now?

Sanque: A lot! If iRacing Brasil is a reference on sim racing competition, I owe it to the knowledge that my friends Greff, Maggi and Jota gave to me. Before this I had no idea of how to administer a league in a professional way. I had some other previous experiences, but nothing would come close to what these guys did.
And it was not only knowledge. One day, when they were thinking to stop for personal reasons, I called Maggi to explain my project for iRacing Brasil and he, without asking for a cent, transfered the domain “iracingbrasil.com.br” to my name and wished me luck. Back then, this domain was used to redirect people to Liga IVR website.

People cheering up on their favorites, one more night of sim racing.

iRN: And how is the work of a professional iRacing league administrator?

Sanque: Hard work! To organize something the size of iRacing Brasil, you need to work a lot. You have to be disciplined with your schedule and have to commit your days accordingly to your needs. It’s much more than just creating a host for the participants. You need to give them the full package: website, teamspeak domain, broadcasting, support, prizes… and more. The outcome, what people watch on the broadcasting, is the result of all that work.
I use to say to our newcomers, that the biggest differential of iRacing.com is the service that they offer to their clients. There is nothing in this world that comes close of what they do. I try to follow their footsteps, being professional. On iRacing Brasil you are not just a sim racer. You are a client.

iRN: What was the turning point in your life to leave your full-time job for the biggest company in the country and build a risky endeavour that depends on a simulator?

Sanque: I hate end-users (just joking)! I’ve worked more than 20 years as support analyst. When I got my Microsoft certificate I realized that it was the moment to decide what I was going to do with my life, and I think I did the right choice.
Of course, I could had a much more secure way of living (and a boring one), working as technical support in some company, but I wouldn’t be happy with myself. Today, iRacing Brasil gives me what I need to have a living, pay my bills and do what I love.

iRN: Did that change the way that people of the iRacing Brazilian community look at you?

Sanque: No doubts! Today I have “financial interests” (he laughs). But generally speaking, they support me, participating and benefiting from all that we did until now. Those that are on the outside can’t understand very well how things works and when they join us, they get surprised with the whole structure and organizations that we have here.

iRN: Now for the numbers. Today, how many iRacers get to participate in your league, per year? And what’s your average reach for broadcasts?

Sanque:
Club Brasil has a little more than 1000 members and the iRacing Brasil Facebook group page has almost 900 members, between active members, inactives and people interested in knowing about the simulator.
Last season was the most successful of our history, with something around 310 participants on six different championships. Per year, I believe that all the 1000 members reach us and our competitions. But more importantly, is how iRacing.com is growing in Brazil. Today, we know of the importance of the work we do for the growing of our Brazilian community. Every month, almost 50,000 people get to watch our live broadcasts on our YouTube channel, and we have in mind our responsibility and the needs to make a good job for those who watch and participates.

 

iRN: With those big numbers and the fact that iRacing Brasil is so popular, plus club South America, what is your thinking about the impact of a South American server for iRacing to meet this demand (today iRacing has three servers: US, Netherlands and Australia)?

Sanque: I can say honestly that this would be the best thing that iRacing could do to attract the South American public to its service. Today, with the exception of Brazil, the participation of our neighbors in South America is very low, and I think that this is due two main factors:

1. We don’t have local servers. Besides the fact that iRacing does a great job in this netcode, this is a constant issue between members that are closer to the servers. When this happens in a race it is very annoying, and it makes it impossible for us to have equal conditions to compete with people who are closer to the server, because there is always going to be that fear of having incidental contact that didn’t actually happen. A Brazilian server, even if only used for hosted sessions, would attract a bigger number of people to the service, and this also would raise the number of active members in our continent.

2. The service price. The iRacing team could rethink about using only US dollar. For someone who lives in Europe, the service costs could be considered low. But for someone from Argentina, for example, where their money is almost four times less valuable, or even for us from Brazil who pay an average of 2.23 BRL for one US dollar, the service price becomes a barrier, and this defines most of the time a person’s interest to make part of iRacing.

iRN: Your league rewards many sim racers per year. Trophies, medals, money and even real racing cars testing. How’s the work to generate rewards?

Sanque: There are two ways to reward the sim racers who participate in championships. First, through the sponsoring of companies that are interested in investing in sim racing. Unfortunately, I think that, because of the reality of Brazil and the world, we can’t allow ourselves to rely on this. So we go for the next option, that is charging registration fees for our championships.

Just to make it clear, today all our championships, besides being broadcast live in HD quality, reward the top three sim racers from each championship with trophies and medals, as well as the winning team. This kind of reward is also extended for the cleanest driver of the season, and for the driver of the season. Last year, five participants had the chance to drive a race car, thanks to our partnership with Velopark, a motorsports park located in Rio Grande do Sul. And finally, there is the prize of 5.000,00 BRL this year (4.000,00 BRL last year), that will be shared between the top10 oval drivers of our league.

iRN: How many people work to make iRacing Brasil happen?

Sanque: Today we share the tasks in two groups. Hugo Luis, Carlos Passos, Mogar Filho and me are responsible for organizing the championships and decisions related to the league administration. The second group is about race control, investigating incidents in real time and analyzing protests after the race. This group usually counts with 12 people.
Most of the time, people look up to me about issues related to iRacing Brasil, and I think this is understandable, since I had started this almost alone four years ago. But today, I can say that alone I could not do what is done today. Fortunately, I can count on a very competent and dedicated team. Their professionalism and dedication surprises me, and I’m proud to know that we have done the right choices, mainly when I see how far we have gotten.

iRN: You also have now a new endeavour, called Racespot, to broadcast races from other championships. How is the work around this?

Sanque: That’s true. Racespot came after the success of iRacing Brasil broadcasts of iRacing World Championship Grand Prix Series and NASCAR PEAK Antifreeze Series, which we did on a partnership with Fox Sports Brasil, in 2013. That year, we’ve been authorized by iRacing.com to broadcast in Brazilian Portuguese those races and the outcome was very positive. After the end of this great challenge, we came to the conclusion that our broadcasting was not that bad compared to the international broadcasters, but we were not international. Then we came up with RaceSpot TV.

By the end of 2013, I asked Hugo to come over to my house and together we organized all the structure, website, propaganda, etc, so we could showcase our work outside Brazil. Meanwhile, we got learned that GlacierTV was taking a break on the broadcasts and we invited Wil Vincent to be our major voice. Wil is incredible and to have him with us, was doubtless, our best play.

Since the beginning of April, due the fact of how much time iRacing Brasil asks of me, I’ve chosen to let my part of this business with Wil and Hugo, because it was the right thing to do at the moment. Wil brought with him his talent, knowledge and his contacts from the international community of iRacing.com to RaceSpot. Hugo is one of the most capable persons that I know, and he’s great in everything that he does. If RaceSpot grows each day, it is because of these two guys, and the commentary team that they got. I will keep giving them my full support, but this is all about them.

iRN: What are the plans for the future? Will be there come a day when iRacing Brasil became a real racing association?

Sanque: That would be great! But I must say that we don’t think about this right now. Between July 4 and 6 we are going to have our annual meeting at Piracicaba racetrack, where we will be supporting the cars from Phoenix Motorsport team, which are going to be driven by sim racers Anderson Paes and Rafael Matta. This is a great way to showcase our business and we want to bring more real world racers to iRacing. In this event, we also will have two rigs so everyone at the racetrack can have the experience on this simulator, and we’re waiting for a great outcome on this.

iRN: Thank you Sanque, and good luck on your endeavours.

Sanque: Thank you Thiago and also David for the great work that you do at iRacing News.  Thanks for the opportunity to talk a bit about our work at iRacing Brasil. When I started back in 2010, I could never imagine that we would achieve half of what he had. And this was all thanks to the efforts of everybody involved and also the support from iRacing, that always helped us when we needed. Thanks so much all of you!

Versão em Português:

A liga iRacing Brasil se tornou a mais conhecida entre os Brasileiros membros do iRacing. Mas tanto sucesso começou de forma modesta, alguns anos atrás, com os esforços de um nome: Rafael Sanque.

Talvez você não o veja regularmente nas pistas virtuais do iRacing, mas Sanque está por aqui desde 2010 e nesses 4 anos, teve quase 1000 corridas oficiais contabilizadas em seu status pessoal, tanto em oval quanto em road. Hoje, devido o sucesso da sua liga, não há mais tanto tempo disponível para correr – seu trabalho é organizar campeonatos de qualidade para que outros possam se divertir.

E não é modo de falar. Carlos Rafael Sanque gera 100% de sua renda pessoal através do seu empreendimento, o iRacing Brasil. Após largar seu emprego em uma grande companhia Brasileira – a Petrobras – como suporte técnico especialista, Rafael Sanque decidiu trabalhar com o que lhe fazia feliz. E nisso, já se passaram 3 anos, organizando e transmitindo corridas no iRacing Brasil.

Hoje vamos conhecer um pouco desse carioca que teve a coragem de largar tudo para trabalhar no que acreditava.

iRN: Sanque, é com muita satisfação que eu faço essa entrevista com você. Conte-nos um pouco sobre sua história e como começou no automobilismo virtual.

Sanque: Antes de qualquer coisa, gostaria de te parabenizar pelo belíssimo trabalho que você vem fazendo no inRacing News, e por toda a ajuda que você nos dá promovendo o automobilismo virtual brasileiro para o mundo.Respondendo a sua pergunta, eu comecei no AV por acaso. Sempre fui um aficcionado por games, e em 1998 eu estava na casa de um amigo, e ele me apresentou o GP2. Eu fiquei muito animado com a ideia de simular corridas de F1 em meu computador, e acompanhei a série GP até a sua versão 4. alguns anos depois, um outro amigo me apresentou o F1 99-02, e foi ali que eu comecei a identificar a minha paixão pelo automobilismo virtual. Passava horas do meu dia baixando “mods” e treinando para andar com meus amigos. Era muito divertido! Depois eu segui a sequência natural da coisa. Conheci o GTR2, rFactor, LFS, até chegar em 2010 ao iRacing.com, e deletar todos os outros simuladores do meu PC.

iRN: Nós nos conhecemos na extinta Liga IVR (primeira liga de iRacing do Brasil) e lá aprendemos boa parte de como funcionava o iRacing, através da comunidade da liga.
O quanto isso lhe influenciou a chegar aonde está agora?

Sanque: Muito! Se hoje o iRacing Brasil é uma referência em competições no automobilismo virtual, isso se deve ao aprendizado que tive com meus amigos Greff, Maggi, Palermo e Jota. Antes da Liga iVR, eu não fazia ideia de como se administrar uma liga de forma profissional. Eu já havia tido outras experiencias, mas nada no nível do que esses caras faziam por lá.
E não é só pelo aprendizado. Um dia, quando o pessoal da IVR já estava pensando em parar por motivos particulares, eu chamei o William Maggi para conversar, expliquei para ele o meu projeto para o iRacing Brasil, e ele, sem me cobrar nem um centavo, transferiu o dominio iracingbrasil.com.br para o meu nome e me desejou sorte. Naquela época, o dominio iracingbrasil.com.br era usado como redirecionamento para o site da Liga iVR.

iRN: E como é o trabalho de organizador / administrador de uma liga profissional no iRacing?

Sanque: Pesado! Para se organizar uma liga do tamanho do iRacing Brasil, você precisa trabalhar muito. É preciso ter regra com seus horários, e organizar os seus dias úteis de acordo com as necessidades. Organizar uma liga do tamanho do iRacing Brasil é muito mais do que criar host de corrida para os pilotos. É preciso dar aos pilotos toda a estrutura com site, ts3, e-mails, divulgação, transmissão, arte, suporte, investimento, patrocínio, premiação, coordenação de equipe e por aí vai. O resultado final, aquilo que as pessoas vêem em nossas transmissões, é o resultado bem sucedido da estrutura que criamos e mantemos durante todo o tempo.
Eu costumo dizer para quem está chegando, que o grande diferencial do iRacing.com é o serviço prestado aos seus clientes. Não há nada no mundo que seja pelo menos parecido com o que esses caras fazem. Nós tentamos seguir os passos deles, provendo o máximo de profissionalismo aos nossos pilotos. No iRacing Brasil, você não é apenas um piloto. Você é nosso cliente.
iRN: Qual foi o ponto de virada da sua vida para decidir largar um emprego estável na maior companhia do país e arriscar um empreendimento que gira em torno de um simulador?

Sanque: Eu odeio usuários (brincadeira). Por mais de 20 anos eu trabalhei como analista de suporte. Quando terminei minha cerificação da Microsoft, eu percebi que aquele era o momento de decidir o que fazer da minha vida, e acho que tomei a decisão correta.
Obviamente, minha vida poderia ser muito mais segura (e provavelmente chata), trabalhando como suporte em alguma empresa, mas eu não estaria bem comigo mesmo.
Hoje, o iRacing Brasil me dá o retorno necessário para que eu possa me manter, pagar minhas contas e fazer o que eu amo.

iRN: Isso mudou a forma como você é visto dentro da comunidade Brasileira do iRacing?

Sanque: Sem dúvidas! Hoje eu tenho “interesses comerciais” (risos). Mas no geral, a comunidade brasileira apoia, participa e se beneficia de tudo que fizemos até hoje.
Quem está de fora, não consegue entender muito bem como a coisa funciona e como trabalhamos. Ao ingressar nas competições do iRacing Brasil, as pessoas se surpreendem ao ver toda a estrutura e organização que temos por aqui.

iRN: Vamos falar um pouco de números. Hoje, quantos iRacers passam pela sua liga, por ano? E o quanto você alcança em média, por transmissões?

Sanque: O club Brasil hoje tem pouco mais de 1000 membros, e o nosso grupo do iRacing Brasil no Facebook tem quase 900 membros, entre membros ativos, inativos e interessados em conhecer o simulador.

A última temporada do iRacing Brasil foi a mais bem sucedida da nossa história com cerca de 310 inscritos em 6 campeonatos. Por ano, eu acredito que mais de 1000 iRacers passem pelo iRacing Brasil e suas competições.

Mas o mais importante, é o crescimento do iRacing.com no Brasil. Hoje, sabemos da importância do trabalho feito pelo iRacing Brasil para o crescimento da comunidade brasileira no iRacing.com. Mensalmente, quase 50.000 pessoas passam por nossas transmissões ao vivo em nosso canal do Youtube, e temos noção da nossa responsabilidade e necessidade em fazer um trabalho bem feito para quem vê e principalmente para quem participa.

iRN: Com um número como esse – o que é bastante coisa – e o fato de que o clube Brasil seja tão grande, somando com o clube South America, quanta diferença faria termos um servidor do iRacing para atender essa demanda (Hoje o iRacing conta com servidores próprios nos EUA, Holanda e Austrália)?

Sanque: Eu digo sem medo de errar, que esta seria a melhor coisa que o iRacing.com poderia fazer para atrair o público sul-americano para o seu serviço. Hoje, com exceção do Brasil, a participação dos nossos vizinhos na América do Sul é muito baixa, e eu acho que isso se deve a 2 fatores principalmente.

1. Não termos servidores “locais”. Apesar do iRacing fazer um ótimo trabalho em seu código online, o netcode é cada vez mais constante entre os membros que não estão próximos aos servidores do iRacing. E quando isso acontece durante uma corrida, irrita, e impede que essas pessoas possam correr em condições de igualdade contra aqueles que estão próximos do servidor, pois sempre haverá o medo de um toque que realmente não existiu. Servidores no Brasil, mesmo que à principio, fossem usados apenas para host, atrairia um interesse muito maior do público local para o simulador, o que aumentaria consideravelmente o número de membros ativos no nosso continente.

2. O custo do simulador. Utilizar apenas o Dolar, é algo que poderia ser repensado pela equipe do iRacing.com. Se para um Europeu, que é pago em Euros, o custo do iRacing.com pode até ser considerado baixo. Para um Argentino, por exemplo, que tem sua moeda de 3 a 4 vezes mais desvalorizada, ou mesmo para nós Brasileiros, que pagamos em média 2.23 Reais por Dolar comprado, o custo do simulador se torna uma barreira, que muitas vezes define o interesse de um indivíduo em fazer parte deste mundo.

iRN: O iRacing Brasil premia muitos pilotos virtuais por ano. Troféus, medalhas, dinheiro e até testes em carros de corrida reais. Como é esse trabalho de gerar as premiações?

Sanque: Existem 2 formas de premiar os pilotos que participam de campeonatos virtuais. A primeira seria por meio do patrocínio de empresas interessadas em investir no automobilismo virtual. Infelizmente, a realidade do Brasil e do mundo, eu acho, não nos permite contar com esta solução. Por isso utilizamos a segunda opção, que é a de cobrar inscrição por cada campeonato que o piloto participe no iRacing Brasil.

Apenas para conhecimento, hoje, todos os campeonatos do iRacing Brasil, além de prover transmissão ao vivo em HD para todos os seus campeonatos, os 3 primeiros colocados de cada campeonato são premiados com troféus e medalhas, bem como a equipe campeã. Esta premiação se extende também para o piloto mais seguro da temporada, e para o piloto destaque da temporada.
Ainda falando sobre premios, no último ano, 5 pilotos tiveram a experiência de guiar um carro de corrida de verdade, graças a nossa parceria com o Velopark, autódromo localizado no Rio Grande do Sul. E finalmente, existe a premiação de R$5.000,00 este ano (Foram R$4.000,00 no ano passado), que será dividida entre os 10 melhores pilotos de NASCAR do ano nas 3 categorias de NASCAR do iRacing Brasil (Pro, National e Truck).

iRN: Quantas pessoas trabalham para o iRacing Brasil acontecer?

Sanque: Hoje nós dividimos as tafefas em 2 grupos. Hugo, Carlos, Mogar e Eu somos responsáveis pela Administração dos campeonatos, e decisões relacionadas a administração do iRB. A outra parte, diz respeito a analise de acidentes, e moderação das corridas tanto em tempo real, quanto aos protestos abertos após o término da corrida. Nesta parte, o iRB conta com uma equipe formada por aproximadamente 12 pessoas.
Na maioria das vezes, o meu nome é ligado ao iRB, e acho até que seja normal isso, já que nós começamos este trabalho praticamente sozinho à quase 4 anos. Mas hoje, eu posso afirmar que sozinho, eu não teria nenhuma condição de fazer o que fazemos hoje. Felizmente, conto com uma equipe muito competente e dedicada na moderação e organização de nossas corridas. O profissionalismo e o empenho desses caras me espanta, e mais uma vez, fico orgulhoso de ver que acertamos nas escolhas que fizemos, principalmente ao ver o nível de profissionalismo e organização que chegamos.

iRN: Você agora também está com um novo empreendimento, a Racespot, para transmitir corridas de outros campeonatos. Como é o trabalho em torno disso?

Sanque: É verdade. O RaceSpot surgiu após o sucesso do iRB nas transmissões do iWCGPS e NiSWC, este em parceria com a Fox Sports Brasil, em 2013. Naquele ano, fomos autorizados pelo iRacing.com a transmitir em pt-br as corridas do mundial de F1 e NASCAR, e o saldo foi muito positivo. Após o término deste grande desafio, nós chegamos a conclusão de que a nossa transmissão ao vivo não deixava a desejar, se comparada as transmissões internacionais, à não ser pelo fato óbvio de não ser internacional. E daí surgiu a ideia do RaceSpot TV.

No final de 2013, eu chamei o Hugo para vir na minha casa, e junto com ele organizamos toda a parte estrutural, site, divulgação etc, a fim de mostrar nosso trabalho também fora do Brasil. Neste meio tempo, soubemos que a GlacierTV estava dando um tempo nas transmissões, e convidamos o Wil Vincent para ser o nosso narrador principal. Wil tem uma voz incrível, e te-lo conosco foi sem dúvidas, a nossa melhor jogada.

Desde o início de Abril, devido a demanda de tempo que o iRacing Brasil exige de mim, eu optei por abrir mão da minha parte no negócio, e dividi-la entre Wil e Hugo, pois era o justo a se fazer naquele momento. Wil trouxe consigo o brilhantismo de sua voz e seu conhecimento e amizade com a comunidade internacional do iRacing.com para o RaceSpot. Hugo, é um dos caras mais competentes que conheço em tudo o que se propõe a fazer, e se o RaceSpot cresce a cada dia, é graças a esses dois caras, e a equipe de comentaristas que eles conseguiram no caminho. Eu continuarei dando todo meu apoio a eles, sempre que for necessário, mas o mérito é todo deles.

iRN: Quais são os planos para o futuro? Será que chegaremos ao ponto do iRacing Brasil se transformar em uma organização de corridas reais também?

Sanque: Seria ótimo! Mas confesso que não pensamos nisso neste momento. Nos dias 4, 5 e 6 de Julho faremos nosso encontro anual no Autódromo de Piracicaba, onde apoiaremos os carros da equipe Phoenix Motorsport, que serão guiados pelos pilotos virtuais Luis Piccolo, Anderson Paes e Rafael Matta. É ótimo para o nosso negócio este tipo de exposição, e esperamos trazer ainda mais pilotos reais para o mundo virtual do iRacing.com.
Neste evento, também montaremos um ou dois cockpits para que o pessoal presente no autódromo possa ter a experiência de guiar o nosso simulador, e esperamos ter um ótimo retorno com isso.

iRN:Obrigado Sanque e boa sorte nos seus empreendimentos.

Sanque: Obrigado a você Thiago, e também ao David pelo ótimo trabalho que vocês fazem no inRacing News, Obrigado pela oportunidade de falar um pouco sobre o nosso trabalho à frente do iRB. Quando comecei, lá em 2010, eu nunca imaginei que conseguiríamos fazer metade do que fizemos. E foi graças a competência, e a ajuda de todos os envolvidos, e também, ao suporte de toda a equipe do iRacing.com, que sempre nos ajudou quando precisamos, que isso se tornou realidade. Muito obrigado a todos vocês!

Share Button


No Comments

Comments are Closed

Interested in special offers, free giveaways, and news?

Stay In Touch

Ad